Entenda quais são os três passos para a valorização da mente e do corpo com a prática do método Kaiut

Comunicação

 O primeiro tema é o mais simples e talvez o mais necessário: a comunicação.

Muitos alunos não compartilham com os professores suas dúvidas, anseios e até dores. Isso é muito importante para a qualidade da prática do Kaiut Yoga. O professor Naudé explica a importância da fala enquanto aliada da execução da técnica, “é importante os alunos comunicarem ao professor, seja uma insegurança, uma dor, ou até algo positivo que tenha acontecido em suas vidas e que tenha a ver com o Yoga ou seja, comunicar sempre o professor.” O professor Naudé dá a dica: “procure sempre seu professor no início ou então no final de cada aula. ”

Essa relação de diálogo deve ser entendida também como uma relação de confiança, externar as sensações e medos cria a possibilidade de um confronto maior às próprias dores do indivíduo permitindo a sensação de alívio, tanto físico quanto mental. A professora Fabíola diz que essa comunicação externa permite que “corpo e mente se encontrem num lugar que visa a organização interna, o conforto, bem estar e o relaxamento. Proporcionando junto com a escolha do aluno trilhar esse caminho e um comprometimento pessoal com seu bem estar físico, psíquico e mental.”

A comunicação frequente ajuda a uma percepção melhor do corpo por meio dos exercícios.

Dor

Vivemos numa época em que se busca não sentir o corpo, seja por meio de medicamentos para evitar a dor ou seja através de estímulos meramente intelectuais. As relações que construímos com o corpo por vezes é uma relação brutalizada e superficial.

A prática contínua do método Kaiut visa alinhar e melhorar esses aspectos relacionados à percepção do corpo, apresentar uma visão correta. Aumentando a percepção e o contato com físico e, a partir disso, perceber as eventuais dores que surgem do maltrato diário do corpo.

Por isso, nem sempre a dor que sentimos é algo ruim. A dor dentro da prática do Yoga não deve ser encarada como algo negativo, como afirma Naudé, “nem todas as dores são um problema, são um indicativo de uma boa prática e de uma boa mudança corporal. Assim que como ela (dor) veio ela vai passar no tempo certo.”

A dor pode ser um indicativo positivo de evolução na prática. Por exemplo, um desconforto físico relacionado a adaptação do corpo a uma mudança gerada pela prática do Yoga é algo positivo, segundo a professora Paula Botelho Darwich. “Se a dor aparecer, entenda que vem simplesmente porque você está colocando todo o seu corpo, todo o seu organismo em movimento. Encare-a de forma natural, encare a dor por si só e não veja nela um problema.”

A professora Lúcia Torres ressalta a importância da prática contínua do Yoga para entender a dor e como é importante não desanimar durante essa caminhada, “algumas vezes quando não estamos bem fugimos da prática do Yoga, atrasando ainda mais o processo de longevidade com saúde disposição e alegria de viver.”

A prática contínua oferece a oportunidade de percepção às restrições que aparecem a cada dia a medida que se envelhece, e mostra também quanto o estilo de vida que se leva pode promover desconfortos físicos e/ou mentais.

Yoga para a mente agindo pelo sistema nervoso

Terceira, e mais significativa questão, seria a questão mental: o Yoga busca mudar nossos padrões de sistema nervoso.

“Nosso corpo afeta nossa mente, nossa mente afeta nosso corpo”. Afirmações como essa deixaram o campo do esotérico para se tornarem afirmações científicas. Estudos altamente qualificados e confiáveis nos mostram o quanto a qualidade de nossos pensamentos são determinantes para a nossa realidade, essa fala da professora Joyce Rzeznik lembra do quão importante é o poderio do Yoga que consegue transformar o sistema nervoso e altera os padrões de negatividade, de ansiedade, de irritabilidade. Esses comportamentos tão comuns são estimulados por uma sociedade imediatista, que demanda inúmeros problemas e estresse. Por isso, o Yoga vem como um contra ponto que busca alterar o sistema nervoso, trazendo o padrão para um estado de mais equilíbrio, natural e positivo.

A professora Paula lembra que “com o tempo você passará a ter escolhas melhores e viver tudo com mais presença e verdade. A mudança pode acontecer rapidamente ou ser lenta, não importa, cada um tem o seu tempo, o processo é individual. O importante é você não se cobrar e se permitir essa oportunidade de transformação.”

É importante perceber como sua mente lida com seu corpo, como ela age, se ela reage e de que forma, criando suporte para as posições ou conflitando, pois o Yoga ensina a se conectar consigo mesmo, a criar uma reconexão da mente com o corpo.[:]

Subscribe Our Newsletter