News#08 – A homeopatia e sua relação com o yoga

Olá!

Na nossa newsletter de março, quero compartilhar um pouco da minha experiência com a homeopatia e como ela faz parte da minha vida. É uma história que começa lá atrás, quando eu tinha 20 e poucos anos e meu filho Ravi estava pra chegar no mundo. Mas antes de eu te contar essa história toda, resolvi trazer um pouco do contexto histórico em que a homeopatia surgiu, o que ela é de fato e como funciona.

Pra fazer isso, tive ajuda da minha querida aluna Kathi Fry, que hoje é uma médica homeopata e professora certificada do Método Kaiut Yoga. Nossas percepções sobre a prática de yoga como um recurso terapêutico, num lugar de reconexão, são bastante parecidas. Isso nos proporcionou muitas reflexões sobre o yoga e uma ligação bem boa com a homeopatia. 

Espero que goste do conteúdo, preparei com muito carinho para você. Boa leitura! 

A homeopatia é uma forma de medicina alternativa poderosa e de ação profunda, que estimula a capacidade do ser de curar a si mesmo. Os princípios da homeopatia foram descobertos e codificados pelo Dr. Samuel Hahnemann, um médico que viveu e trabalhou na Alemanha no final do século XVIII. Naquela época, o que se passava por medicina convencional incluía tratamentos brutais como sangramento e indução ao vômito, suor e limpeza com compostos cáusticos como arsênico e mercúrio.

O Dr. Hahnemann ficou desiludido com esses tratamentos que eram piores do que a doença. Assim, decidiu abandonar a prática da medicina e passou a prover para sua família traduzindo antigos textos médicos do grego e do latim para o alemão. Por meio de seus estudos dos escritos de Hipócrates, Galeno e Paracelso, ele descobriu o princípio da Similia similibus curentur, que em latim significa “semelhantes curam-se pelos semelhantes“. Isso quer dizer que uma substância administrada a pessoas saudáveis induz um conjunto de sintomas em um processo denominado prova. Quando esse mesmo conjunto de sintomas é induzido em uma pessoa doente, essa substância pode ser usada para curar a doença.

O objetivo do tratamento homeopático de qualquer condição é atingir um estado de saúde ideal. Esse estado saudável se reflete na ausência de sintomas da doença e está sob o controle do que Hahnemann chamou de “Força Vital“. Na medicina chinesa, essa força invisível é chamada de Qi e na medicina ayurvédica é chamada de Prana. Todos os sintomas, sejam eles físicos, mentais ou emocionais, são apenas mensageiros da Força Vital pedindo ajuda.
Isso se difere da medicina farmacêutica convencional, que usa remédios ou, às vezes, cirurgia para remover os sintomas. No entanto, a menos que você descubra a causa do desequilíbrio na Força Vital, os sintomas retornam e, frequentemente, até surgem novos sintomas, como efeitos colaterais dos medicamentos prescritos.

Os remédios homeopáticos são feitos de maneira especial em farmácias homeopáticas licenciadas, diluindo-se e agitando-se ou “dando sucussão” em um extrato concentrado de qualquer substância natural. À medida que o extrato é repetidamente diluído e agitado, as características físicas da substância diminui à medida que as propriedades energéticas ou de cura aumentam. Desta forma, substâncias como veneno de cobra ou outros venenos podem ser usados com segurança para estimular a Força Vital, que sabe como restaurar um ser ao estado de saúde.

O remédio correto, que corresponde aos sintomas do paciente, é chamado de Simillimum. Por exemplo, o arsênico é um veneno bem conhecido, comumente usado na Idade Média para matar inimigos. Os sintomas de envenenamento por arsênico são clássicos: fortes cólicas abdominais, náuseas, vômitos, calafrios alternando com suores e uma sensação de morte horrível. Com qual outra síndrome bem comum isso se parece? Se você chutou intoxicação alimentar, você acertou. Na verdade, Arsenicum album, remédio feito de arsênico, é um tratamento muito seguro e eficaz para intoxicações alimentares. Eu mesma usei em cinco ocasiões durante minhas viagens e nunca tive que ir ao hospital ou tomar antibióticos! 

Claro, você não pode simplesmente dar arsênico a alguém, isso mataria a pessoa. Mas, por mais de 200 anos, os homeopatas têm tratado com sucesso centenas de milhares de casos de intoxicação alimentar usando Arsenicum album, que é feito diluindo uma gota de arsênico pelo menos 30 vezes. O remédio diluído é então colocado em comprimidos de açúcar e o paciente toma a cada 30 minutos até que os sintomas diminuam. Dessa forma, Arsenicum album é o simillimum para intoxicação alimentar.

Arsenicum album também pode ser usado para problemas crônicos, como ansiedade ou até mesmo mesmo síndrome do intestino irritável, se os sintomas do paciente corresponderem aos registrados na prova de Arsenicum album, feita em pessoas saudáveis.

Em condições crônicas, geralmente uma potência mais baixa do remédio é administrada diariamente e a potência aumenta gradualmente com o tempo. Quando o rémedio homeopático correto, o simillimum, é administrado diariamente, ele atua como um diapasão para fortalecer a Força Vital, que então tem o poder de restaurar a saúde ideal da pessoa. Uma vez que os sintomas tenham desaparecido definitivamente, o remédio não é mais necessário, porque a Força Vital voltou ao estado de saúde.

Pratiquei homeopatia e diversos estilos de yoga por mais de 30 anos. Nos últimos 8 anos, pratiquei o Método Kaiut quase todos os dias. Assim como a homeopatia, a acupuntura, a medicina ayurvédica e o Método Kaiut Yoga funcionam estimulando a capacidade inata de uma pessoa de se curar por dentro.

Eu acredito que tomar o remédio homeopático simillimum todos os dias é como praticar yoga consistentemente, onde “tocamos” a restrição enquanto estimulamos o sistema nervoso parassimpático. Como na homeopatia onde “semelhante cura semelhante”, o uso consistente do Método Kaiut remove lentamente essas restrições e cura por dentro. Desse modo, a posição ideal atua como o simillimum, é como equilibrar os doshas no Ayurveda ou desbloquear os meridianos de energia na medicina chinesa.

Em mais de 30 anos de prática da homeopatia, tenho visto consistentemente que pacientes que usam remédios homeopáticos precisam de ajustes de quiropraxia com menos frequência. Quando precisam de tratamento quiroprático, aqueles que tomam remédios homeopáticos percebem que seus ajustes “duram” por mais tempo! 

Isso tudo é muito interessante! Eu percebo a mesma coisa com alunos que fazem yoga de forma consistente, especialmente aqueles que praticam todos os dias. Quanto maior é a consistência da prática, melhores e mais duradouros são os resultados – substituindo muitas vezes outros tratamentos que eles estavam usando anteriormente. 

Durante toda minha vida como terapeuta natural, antes mesmo de me tornar professor de yoga, a ideia de homeopatia pra mim sempre foi apresentada com um certo glamour, como algo muito especial e importante. Na época, como eu nunca tinha tido nenhum contato com ela, não enxergava dessa forma. 

Essa percepção mudou 100% quando meu filho Ravi entrou na minha vida. A perspectiva de me tornar um pai, do cuidado, do zelo, de um lugar de responsabilidade com outra vida, fez com que muitas ideias mudassem. O grau de importância e valor que a homeopatia tinha pra mim passou para um próximo nível. 

O que eu fiz? O que eu sempre faço até hoje quando algo me intriga: vasculhei e estudei profundamente para tentar entender. Pesquisei quem eram os nomes mais confiáveis da homeopatia na minha cidade, próximos de mim. Essa pesquisa me levou a um homeopata, o Dr. Munhoz. Foi uma presença bastante icônica na minha vida, por ter sido o homeopata do Ravi praticamente desde que ele nasceu. 

Quando o conheci, eu estava na casa dos 20 anos e o doutor já tinha seus 60. Essa diferença de idade possibilitou uma grande troca de experiências e ensinamentos. Ele era um cara super talentoso, habilidoso, genial na sua abordagem. A impressão que eu tinha quando ele estava atendendo eu e o Ravi era que ele estava praticamente em um transe. Ficava muito conectado, como se estivesse em um universo paralelo.

Toda essa experiência me marcou demais. O que mais me chamou atenção no processo foi a qualidade dos resultados que ele entregou na saúde e na vida do Ravi. E querendo me aprofundar naquilo, fui estudar mais. Fiquei intrigado com os resultados, precisava saber a lógica por trás.

Então me envolvi com esse estudo da homeopatia, devorando diversos livros do assunto. Não porque eu queria me tornar um homeopata, mas porque eu queria de fato entender como a homeopatia entregava resultados e como podia influenciar positivamente minha relação com o desenvolvimento do meu método de yoga. 

Foi um processo relativamente longo mas muito prazeroso. Li muito, conversei com muitos médicos homeopatas, até o ponto que eu, como professor de yoga e paciente, consegui ter uma clareza de qual era a proposta. Como era possível obter aqueles resultados que eu via tão de perto comigo e com o Ravi. 

Então eu fui capaz de traduzir a ideia do simillimum para a prática do yoga. O simillimum, para mim, representa o ideal de mobilidade no corpo em cada articulação. Ou seja, trabalha para a mobilidade ideal, que gera equilíbrio, que gera um tônus muscular ideal, que gera vitalidade ideal. Esse paralelo foi possível porque eu consegui ver claramente que grande parte das questões dos meus alunos e pacientes estava ligada com alterações no padrão ideal de uma ou muitas articulações. 

Do mesmo jeito que o remédio homeopático é capaz de induzir o corpo a se auto curar, as posições fazem a mesma coisa, justamente pelo principio da semelhança. Nesse sentido, as posições são semelhantes às nossas posições ancestrais e naturais, trazendo essa restauração de função, esse equilíbrio. 

Por isso a prática do yoga tem pra mim esse lugar terapêutico, de saúde, medicina natural, restabelecimento do equilíbrio de um sistema corporal. De um sistema humano. Que usa o corpo, mas vai muito além dele.

Queridos, 

A gente fala bastante sobre formas de encontrar o equilíbrio, eu sempre compartilho tudo de mais moderno que eu uso e como me traz resultados positivos. Use isso como inspiração para buscar aquilo que seja mais natural, efetivo e que traga bons resultados para você. Espero que tenha gostado da leitura! Agradeço especialmente a Kathi por ter compartilhado esse conteúdo rico com a gente. 

Até a próxima! 

Pratique sempre com inspiração,

Francisco Kaiut 

Subscribe Our Newsletter

Newsletter

Não vá embora!

Inscreva-se na nossa Newsletter e não perca as últimas novidades.