O Yoga em minha vida – Entrevista com o aluno Alzir Pereira Sabbag

[:pb]

O advogado trabalhista Alzir Pereira Sabbag começava a alçar voo solo na carreira profissional aos 28 anos quando se envolveu em uma lesão grave na coluna jogando frescobol na praia, em 1998. Depois disso, foram anos de idas ao médico, dias no hospital, cirurgias, dores e insatisfação. Já com a sexta cirurgia marcada, Alzir conheceu o método Kaiut Yoga. Depois da prática, desmarcou a cirurgia e nunca mais precisou remarcá-la.

Alzir começou a promissora carreira na advocacia em 1989, como estagiário do “saudoso professor da UFPR João Régis Fassbender Teixeira”, como ele mesmo descreve. Três anos depois, se formou e logo em seguida começou a pós-graduação preparatória para magistratura do Trabalho. Com a pós concluída, iniciou o mestrado na UFPR. Também foi nessa época em que ele começou a montar a sua própria equipe e seu próprio escritório, quando teve que se submeter a sua primeira cirurgia na coluna.

O primeiro procedimento foi feito em 1998 e foi o suficiente por alguns anos. Porém, 8 anos depois, Alzir voltou a ter dores depois de um passeio de lancha. Saiu para pescar e, na volta, o mar ficou agitado demais, o que fez a lancha sofrer muito impacto contra o mar, resultando em mais uma crise de dores na coluna.

2006 foi o ano mais crítico. Depois das dores causadas pelo passeio de lancha, se submeteu as suas próximas cirurgias. Foram quatro: uma nucleoplastia que não obteve o resultado esperado. Uma artrodese, sem sucesso. Esta última causou uma fibrose, que resultou na quarta operação em menos de um ano para corrigir a má cicatrização.

Com essa sucessão de procedimentos fracassados, Alzir começou a entrar numa fase muito complicada da vida. Tinha filhos pequenos e não podia brincar com eles. Passava muitos dias no hospital muitas vezes sem conseguir andar entre um procedimento e outro, o que também prejudicava o seu desempenho profissional. “Eu não era mais marido, eu não era mais eu”, conta, quando atingiu um estágio de depressão. Então, em mais uma tentativa de curar suas dores constantes de uma vez por todas, trocou de médico.

Da ortopedia foi para a neurologia, onde realizou o seu último procedimento, que consistiu em limpar o pó de disco que havia sido encontrado no seu nervo ciático, consequência das cirurgias anteriores. Contudo, depois de um tempo continuou a ter dores, e marcou a sexta cirurgia. Foi aí que ele conheceu o yoga.

Na época, Alzir estava lendo o livro “A Realização Espontânea do Desejo”, onde ensina-se a despertar os sentidos e aceitar o que está em volta, a perceber os sinais que a vida nos dá. Foi então que ele reclamou de dores nas costas para duas pessoas diferentes, e essas mesmas duas pessoas indicaram para ele o método Kaiut Yoga. Percebendo o sinal, resolveu tentar.

Já na primeira aula se sentiu melhor, mesmo sem saber que eram os exercícios que estavam melhorando a sua postura e o seu controle corporal. Na primeira semana de aulas já desmarcou sua cirurgia, e nunca mais precisou se submeter a qualquer procedimento. “O yoga é emancipador. Te dá a liberdade do seu corpo fazer o que quiser, descobrindo os limites dele”, conta.

Inevitavelmente, hoje em dia ainda sente dores quando permanece muito tempo em pé, mas aprendeu a controlá-las. “Antes das audiências, enquanto aguardo meus clientes e testemunhas, procuro um cantinho e me concentro. Alivia rapidinho”, diz Alzir, contando dos benefícios que o yoga trouxe para sua vida. “Eu ouço o meu corpo e também falo com ele. É uma viagem pra dentro de nós mesmos”. Segundo Alzir, temos duas maneiras de aprender na vida: “pelo amor ou pela dor”.

[:]

Subscribe Our Newsletter